Perceptions and practices of community health workers in the care of drug users

Main Article Content

Karen Batista
Bernardino Geraldo Alves Souto

Abstract

Introduction: In the context of public policies aimed at health care for people who use alcohol and illicit drugs in Brazil, the community health agents of the Family Health Strategy are very important for the active fetch and care of these people. However, they have difficulties to perform these actions, probably due to insufficient technical qualification as to appropriate approach of drug users. Objective: To describe the perceptions and expectations of a group of community health agents about drug users, on which they base their care practices. Methods: Clinical-qualitative research approved by the Research with Human Subjects Ethics Committee, which interviewed ten community health agents experienced the care of drug users. The interviews were treated by ideographic strategy and nomothetically organized by theme, later on being analyzed under the referential of extended clinics. Results: Community health agents want to take proper care of illicit drug users, but they do not know how to do it, probably because they still have lay beliefs about these people and do not receive enough technical training. Conclusion: These agents perceive their need to better qualify and wish to improve so they can take care of alcohol and other drugs’ users. Therefore, in order for public policies aimed at the care of drug users to be effective, it is indispensable to apply permanent education strategies capable of transforming the practices and perceptions of these professionals.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Batista, K., & Souto, B. G. A. (2017). Perceptions and practices of community health workers in the care of drug users. ABCS Health Sciences, 42(3). https://doi.org/10.7322/abcshs.v42i3.1072
Section
Original Articles

References

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva Coordenação Nacional de DST e AIDS. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.

2. Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Portaria n. 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial no SUS. Diário Oficial da União. Brasília: 2011.

3. Dimenstein M, Lima AI, Macedo JP. Integralidade em saúde mental: coordenação e continuidade de cuidados na Atenção Primária. In: Paulon SS, Neves R. Saúde Mental na Atenção Básica: a territorialização do cuidado. Porto Alegre: Sulina; 2013; p.39-60.

4. Araújo LF, Castanha AR, Barros APR, Castanha CR. Estudo das representações sociais da maconha entre agentes comunitários de saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;11(3):827-36. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000300030

5. Fernandes A, Stein AT, Giugliani C. Conhecimentos dos agentes comunitários de saúde sobre crack e outras drogas. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(34):1-10. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc10(34)924

6. Habimorad PHL, Martins STF. O abuso e dependência de drogas no território: desafios e limites dos Agentes Comunitários de Saúde de uma Unidade de Saúde da Família. Pesq Práticas Psicossociais. 2013;8(1):63-74.

7. Neves R, Paulon S, Nardi HC, Tschiedel R, Zambenedetti G, Piccinini CA, et al. Rastreando o cuidado em saúde mental pela mão dos Agentes Comunitários de Saúde: um percurso de pesquisa. In: Paulon S, Neves R. Saúde Mental na Atenção Básica: a territorialização do cuidado. Porto Alegre: Sulina; 2013; p.113-48.

8. Queiroz IS, Gomes AP, Reis AL, Knupp DFD, Aquino CR. Repertórios interpretativos de profissionais da rede de saúde mental e atenção primária de Belo Horizonte sobre uso de drogas. Saúde Debate. 2014;38(100):80-93. http://dx.doi.org/10.5935/0103-104.20140005

9. Silva RAN, Zambenedetti G, Piccinini CA. O trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde no cuidado com pessoas que usam drogas: um diálogo com a PNH. Rev Polis Psique. 2012;2(3):59-72.

10. Silveira PS, Martins LF, Ronzani TM. Moralização sobre o uso de álcool entre agentes comunitários de saúde. Psicol Teor Prática. 2009;11(1):62-75.

11. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

12. Turato ER. Tratado da metodologia da pesquisa clinico qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. 2ª ed. Petrópolis: Vozes; 2003.

13. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial da União. Brasília: 2012.

14. Lucena AF. Análise ideográfica e nomotética na pesquisa qualitativa com abordagem fenomenológica. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12739. Acesso em: 22 jul. 2017.

15. Campos GWS. A clínica do sujeito: por uma clínica reformulada e ampliada. In: Campos GWS. Saúde Paidéia. São Paulo: Hucitec; 2003; p. 51-67.

16. Mattos RA. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: Pinheiro R, Mattos RA. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. 8ª ed. Rio de Janeiro: Cepesc IMS/UERJ Abrasco; 2009; p.43-68.

17. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Projeto “Caminhos do Cuidado” Formação em saúde mental (crack, álcool e outras drogas) para agentes comunitários de saúde e auxiliares/técnicos em enfermagem da Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

18. Schneider DR. Horizonte de racionalidade acerca da dependência de drogas nos serviços de saúde: implicações para o tratamento. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(3):687-98. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000300011

19. Alarcon S, Belmonte PR, Jorge MAS. O campo de atenção ao dependente químico. In: Alarcon S, Jorge MAS. Álcool e outras drogas: diálogos sobre um mau-estar contemporâneo. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2012; p.63-82.

20. Conselho Federal de Psicologia (CFP). Relatório da 4ª Inspeção Nacional de Direitos Humanos: locais de internação para usuários de drogas. 2ª ed. Brasília: Comissão Nacional de Direitos Humanos; 2011.

21. Conselho Regional de Psicologia de São Paulo. Dossiê: Relatório de inspeção de comunidades terapêuticas para usuárias(os) de drogas no estado de São Paulo. Mapeamento das violações de direitos humanos. Campanha Estadual de Direitos Humanos. Violência do Estado ontem e hoje, da exclusão ao extermínio. São Paulo: Conselho Regional de Psicologia de São Paulo; 2016.

22. Alarcon S. A Síndrome de Elêusis: considerações sobre as políticas públicas no campo de atenção ao usuário de drogas. In: Alarcon S, Jorge MAS. Álcool e outras drogas: diálogos sobre um mau-estar contemporâneo. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2012; p.45-62.

23. Goffman E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4ª ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos; 1988.

24. Ronzani TM, Noto AR, Silveira PS. Reduzindo o estigma entre usuários de drogas: guia para profissionais e gestores. Juiz de Fora: Editora da UFJF; 2015.