Users’ perception of the Community Centers for physical activity from two cities in Ceará, Brazil

Main Article Content

Maria Dayanne Luna Lucetti
Valeska Virgínia Freitas de Santana
Eglídia Carla Figueiredo Vidal
José Adelmo da Silva Filho
Antonio Germane Alves Pinto

Abstract

Introduction: The practice of physical activity provides benefits to health and, consequently, to people's quality of life, helping to promote health and prevent disease. Objective: To understand the perception of the users about the physical activity poles with emphasis on the structure, functioning and professional support in health promotion practices. Methods: This is an exploratory qualitative approach. The locus of the study involved two community poles of physical activity, one of them being the Health Academy Program (PAS) in different municipalities. The sample counted on 15 participants, being 5 of one pole and 10 of the other to which the PAS works. Data were collected through the semistructured interview and synthesized through thematic analysis. Results: Disagreements were observed in relation to the statements of the population about the community physical activity pole and on the pole of the Health Academy Program. It was evidenced the absence of qualified professionals to assist in the practice of the exercises and to make necessary orientations regarding the practice of the activity. It was also noted that the distance between the residence and the pole can be a potential incentive or discouraging, since the location of the distant poles of the homes makes it difficult for the population to routinely adhere to physical activities. Conclusion: Prevalence among the interviewees of dissatisfaction about the organization and functioning of the community poles of physical activity.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Lucetti, M. D. L., Santana, V. V. F. de, Vidal, E. C. F., Silva Filho, J. A. da, & Pinto, A. G. A. (2020). Users’ perception of the Community Centers for physical activity from two cities in Ceará, Brazil. ABCS Health Sciences, 45. https://doi.org/10.7322/abcshs.45.2020.1266
Section
Original Articles
Author Biographies

Valeska Virgínia Freitas de Santana, Universidade Regional do Cariri (URCA) – Crato (CE), Brazil

Mestra em Enfermagem pela Universidade Regional do Cariri

Docente do Departamento de Enfermagem da Universidade Regional do Cariri

Eglídia Carla Figueiredo Vidal, Universidade Regional do Cariri (URCA) – Crato (CE), Brazil

Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará - UFC

Docente do Departamento de Enfermagem da Universidade Regional do Cariri

José Adelmo da Silva Filho, Universidade Regional do Cariri (URCA) – Crato (CE), Brazil

Mestrando em Enfermagem pela Universidade Regional do Cariri - URCA

Membro do Grupo de Pesquisa Clínica, Cuidado e Gestão em Saúde - GPCLIN/URCA/CNPq

Antonio Germane Alves Pinto, Universidade Regional do Cariri (URCA) – Crato (CE), Brazil

Doutor em Saúde Coletiva, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Professor Adjunto da Universidade Regional do Cariri-URCA/CE

References

1. Ferreira RW, Caputo EL, Häfele CA, Jerônimo JS, Florindo AA, Knuth AG, et al . Acesso aos programas públicos de atividade física no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Cad Saúde Pública. 2019;35(2):e8618. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00008618

2. Hallal PC, Reis RS, Hino AAF, Santos MS, Grande D, Krempel MC, et al. Avaliação de Programas Comunitários de Promoção da Atividade Física: o caso de Curitiba, Paraná. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2009;14(2)104-14. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.14n2p104-114

3. Mendonça BCA, Toscano JJO, Oliveira ACC. Do diagnóstico à ação: experiências em promoção da atividade física programa academia da cidade Aracaju: promovendo saúde por meio da atividade física. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2009;14(3):211-16. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.14n3p211-216

4. Costa BVL, Mendonça RD, Santos LC, Peixoto SV, Alves M, Lopes ACS. Academia da cidade: um serviço de promoção da saúde na rede assistencial do Sistema Único de Saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(1):95-102. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000100011

5. Hallal PC, Tenório MCM, Tassitano RM, Reis RS, Carvalho YM, Cruz DKA, et al. Avaliação do programa de promoção da atividade física Academia da Cidade de Recife, Pernambuco, Brasil: percepções de usuários e não-usuários. Cad Saúde Pública. 2010; 26(1):70-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000100008

6. Mota PHS, Viana ALA; Bousquat A. Relações federativas no Programa Academia da Saúde: estudo de dois municípios paulistas. Saúde Debate. 2016;40(108):64-73. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104-20161080005

7. Guarda FRB, Silva RN, Feitosa WMN, Santos Neto PM, Araújo Júnior JLAC. Caracterização das equipes do Programa Academia da Saúde e do seu processo de trabalho. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2015;20(6):638-640. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.20n6p638

8. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 719, de 07 de abril de 2011. Institui o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. [Internet] [Cited 2019 Mar 28] Available from: https://atencaobasica.saude.rs.gov.br/upload/arquivos/201510/01114724-20141103165640br-portaria-719-2011-academia-de-saude-1.pdf.

9. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14 ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

10. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Sinopse do Censo Demográfico 2010 Brasil. [Internet] [Cited 2019 Aug 28] Available from: https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/.

11. Malta DC, Castro AM, Gosch CS, Cruz DKA, Bressan A, Nogueira JD, et al. A Política Nacional de promoção da saúde e a agenda da atividade física no contexto do SUS. Epidemiol Serv Saúde. 2009;18(1):79-86. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742009000100008

12. Lopes ACS, Ferreira AD, Mendonça RD, Dias MAS, Las Casas Rodrigue RC, Santos LC. Estratégia de Promoção à Saúde: Programa Academia da Cidade de Belo Horizonte. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016;21(4):381-6. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.21n4p%25p

13. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

14. Saragiotto BT, Di Pierro C, Lopes AD. Risk factors and injury prevention in elite athletes: a descriptive study of the opinions of physical therapists, doctors and trainers. Braz J Phys Ther. 2014;18(2):137-43. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552012005000147

15. Souza WC, Mascarenhas LPG, Grzelczak MT, Tajes Junior D, Brasilino FF, Lima VA. Exercício físico na promoção da saúde na terceira idade. Saúde Meio Ambient. 2015;4(1):55-65. https://doi.org/10.24302/sma.v4i1.672

16. Kunzler MR, Rocha ES, Bombach GD, Neves D, Santos GS, Carpes FP. Saúde no parque: características de praticantes de caminhada em espaços públicos de lazer. Saúde Debate. 2014;38(102):646-53. http://dx.doi.org/10.5935/0103-1104.20140060

17. Florindo AA, Salvador EP, Reis RS, Guimaraes VV. Percepção do ambiente e prática de atividade física em adultos residentes em região de baixo nível socioeconômico. Rev Saúde Pública. 2011;45(2):302-10. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011000200009

18. Gomes MA, Duarte MFS. Efetividade de uma intervenção de atividade física em adultos atendidos pela Estratégia Saúde da Família: Programa Ação e Saúde Floripa- Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saude. 2008;13(1):44-56.
https://doi.org/10.12820/rbafs.v.13n1p44-56

19. Lemos CAF, Beck JCI. Atividade física para os participantes do projeto viva a vida. Vivências. 2013;9(16):59-67.

20. Rocha CAQC, Moreira MHR, Mesa EIA, Guimarães AC, Dória CH, Dantas EHM. Efeitos de um programa de treinamento concorrente sobre a autonomia funcional em idosas pós-menopáusicas. Rev Bras Ciênc Mov. 2015;23(3):122-34. http://dx.doi.org/10.18511/0103-1716/rbcm.v23n3p122-134

21. Tahan J, Carvalho ACD. Reflexões de idosos participantes de grupos de promoção de saúde acerca do envelhecimento e da qualidade de vida. Saude Soc. 2010;19(4):878-88. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902010000400014

22. Araújo MVGG, Lira FAS. Atividade física na redução da hipertensão arterial em idosos na unidade de saúde da família. Rev Bras Educ Saúde. 2013;3(4):1-10.

23. Ponte MKC, Cunha FMAM. Nível de atividade física na população idosa e seus benefícios: uma revisão integrativa. Sanare. 2013;12(1):71-7.

24. Lucena D, Borges KEL, Aguiar MA, Alcântara F, Madruga JG, Lomeo R. A inserção da educação física na Estratégia Saúde da Família em Sobral/CE. Sanare. 2004;5(1):87-91.

25. Nahas MV, Garcia LMT. Um pouco de história, desenvolvimentos recentes e perspectivas para a pesquisa em atividade física e saúde no Brasil. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2010;24(1):135-48. http://dx.doi.org/10.1590/S1807-55092010000100012