Reverberations of extramural experiences in Dentistry teaching

Main Article Content

Patricia Ferreira de Sousa Viana
Shara Jane Holanda Costa Adad
José Ivo dos Santos Pedrosa

Abstract

Introduction: A dentist’s profile, which is predominantly technical, results from a training focused on dental, cosmetics and decontextualized clinics. Hence, the Brazilian National Curriculum Guidelines arouse, comprising, among other recommendations, the expansion of teaching and learning spaces based on real settings of practice that enable concrete experiences in the social reality. Objective: To identify, in the pedagogical opportunities proposed for the course, aspects that may influence changes on the teaching‑learning process in Dentistry. Methods: This is a qualitative and descriptive study, based on socio‑poetics approach to produce and analyze data. Undergraduates in Dentistry inserted in extramural pedagogical activities took part in the study. Four socio‑poetics workshops were conducted, and they were used as an instrument to develop narratives on the teaching‑learning experiences. Results: Three lines of thought emerged from the socio‑poetics data analysis: time to live the teaching‑learning experiences; coexistence of old and new pedagogical approaches; and challenges arising from change projects. Conclusion: Despite the faced challenges, the importance of curricular or non‑curricular extramural is assumed in Dentistry teaching. These experiences lead students to share spaces of practices in the Brazilian Unified Health System with other actors; thus, by moving in the world of work and teaching, students create a mental model of the teaching‑learning process, which is influenced by the theoretical framework, by opportunities of experiences in the field of practice, and by personal interests. Such elements interfere and increase the perception of themselves and of the world, since they advance in the training process, building a singular way.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Viana, P. F. de S., Adad, S. J. H. C., & Pedrosa, J. I. dos S. (2015). Reverberations of extramural experiences in Dentistry teaching. ABCS Health Sciences, 40(3). https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.794
Section
Original Articles

References

1. Morita MC, Haddad AE, Araújo ME. Perfil atual e tendências do cirurgião‑dentista brasileiro. Maringá: Dental Press; 2010.

2. Warmling CM, Marzola NR, Botazzo C. Da autonomia da boca: práticas curriculares e identidade profissional na emergência do ensino brasileiro da odontologia. Hist Cienc Saúde‑Manguinhos. 2012;19(1):181‑95. http://dx.doi.org/10.1590/S0104‑59702012000100010

3. Emmerich A, Castiel LD. Lagarto e a rosa no asfalto: odontologia dos desejos e das vaidades. In: Botazzo C. De lagartos e rosas. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2013.

4. Moura MS, Ferro FE, Cunha NL, Sousa Nétto OB, Lima MD, Moura LF. Saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família em um colegiado gestor regional do estado do Piauí. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(2):471‑80. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232013000200018

5. Brasil. Ministério da Educação. Parecer CNE/CES nº 1.300/2001. Diário Oficial da União. Brasília; 2001; p. 25.

6. Silveira JL. Diretrizes curriculares nacionais para os cursos de graduação em odontologia: historicidade, legalidade e legitimidade. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2004;4(2):151‑6.

7. Associação Brasileira de Ensino Odontológico (ABENO). Diretrizes da ABENO para a definição do estágio supervisionado nos cursos de Odontologia. Rev ABENO. 2002;2(1):31.

8. Brasil. Presidência da República: Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei 11. 788, de 25 de setembro de 2008. Brasília; 2008.

9. Campos FE, Ferreira JR, Feuerwerker L, Sena RR, Campos JJ, Cordeiro H, et al. Caminhos para aproximar a formação de profissionais de saúde das necessidades da Atenção Básica. Rev
Bras Educ Med. 2001;25(2):52‑9.

10. Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde – Pró‑Saúde: objetivos, implementação e desenvolvimento potencial. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

11. Pedrosa JIS, Lustosa AF. Trilhas da interdisciplinaridade: a experiência da instituição do projeto ensino em saúde na UFPI. In: Barros Júnior FO, Almeida MG, Barbosa VR, Figueirêdo EB. Ensino na Saúde: outras palavras. Brasília: Verbis; 2012. p. 11‑39.

12. Minayo MC. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

13. Santos MC. Páginas Sociopoéticas: deslizando nas ideias e nos conceitos de jovens sobre leitura Tese (Mestrado) – Universidade Federal do Piauí, Teresina; 2013.

14. Adad SJ. A sociopoética e os cinco princípios: a filosofia dos corpos misturados na pesquisa em educação. In: Adad SJ, Petit SH, Santos I, Gauthier J. Tudo que não inventamos é falso: dispositivos artísticos para pesquisar, ensinar e aprender com a sociopoética. Fortaleza: UECE; 2014. p. 41‑59.

15. Gauthier J. O oco do vento: metodologia da pesquisa sociopoética e estudos transculturais. Curitiba: CRV; 2012.

16. Feuerwerker LC, Sena RR. Contribuição ao movimento de mudança na formação profissional em saúde: uma avaliação das experiências UNI. Interface. 2002;6(10):37‑50. http://dx.doi.org/10.1590/S1414‑32832002000100004

17. Ministério da Educação. Universidade Federal do Piauí. Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI): 2015‑2019. Teresina: EDUFPI; 2015.

18. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 3/2002. Diário Oficial da União, Brasília:
2002. p. 10.

19. Serres M. Polegarzinha: uma nova forma de viver em harmonia, de pensar as instituições, de ser e de saber. Rio de Janeiro: Bertrand
Brasil; 2013.

20. Perrenoud P. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 1999.

21. Foucault M, Deleuze G. Os intelectuais e o poder. In: Foucault M. Microfísica do poder. 25ª ed. São Paulo: Graal; 2012.

22. Capozzolo AA, Inbrizi JM, Liberman F, Mendes R. Formação descentrada na experiência. In: Capozzolo AA, Casetto SJ, Henz AO. Clínica Comum: itinerários de uma formação em saúde. São Paulo: Hucitec; 2013. p. 124‑50.

23. Bulgarelli AF, Souza KR, Baumgarten A, Souza JM, Rosing CK, Toassi RF. Formação em saúde com vivência no Sistema Único de Saúde (SUS): percepções de estudantes do curso de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil. Interface. 2014;18(49):351‑62. http://dx.doi.org/10.1590/1807‑57622013.0583

24, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Curso de Especialização em Docência na Saúde. O protagonismo docente diante dos compromissos da formação com o SUS. Porto Alegre: Educa Saúde; 2014.

25. Tavares CM. Análise crítica de uma experiência de integração do estágio de enfermagem em saúde mental ao Sistema Único de Saúde. Esc Anna Nery R Enferm. 2006;10(4):740‑7.

26. Barreto VH, Monteiro RO, Magalhães GS, Almeida RC, Souza LN. Papel do preceptor da atenção primária em saúde na formação da graduação e pós‑graduação da Universidade Federal de Pernambuco – um termo de referência. Rev Bras Educ Med. 2011;35(4):578‑83. http://dx.doi.org/10.1590/S0100‑55022011000400019

27. Trajman A, Assunção N, Venturi M, Tobias D, Toschi W, Bran V. A preceptoria na rede básica da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro: opinião dos profissionais de Saúde. Rev Bras Educ Med. 2009;33(1):24‑32. http://dx.doi.org/10.1590/S0100‑55022009000100004

28. Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra; 1996.

29. Abreu ML, Carvalho RM. Pelos trilhos da Odontologia. Disponível em: http://pelostrilhosdaodonto.blogspot.com.br/. Acesso em: 28 set. 2015.

30. Centro de Ciências da Saúde. Departamento de Patologia e Clínica Odontológica. Manual de Orientação dos Estágios Supervisionados Extramuros II, III e IV. Teresina: Universidade Federal do Piauí; 2014.

31. Pedrosa JI. Iniciação às práticas de saúde: bricolagem na seleção de conteúdos. Rev Bras Educ Med. 2013;37(3):408‑17. http://dx.doi.org/10.1590/S0100‑55022013000300013

32. Capozzolo AA, Casetto SJ, Henz AO, Kinoshita RT. Movimentos de constituição do eixo trabalho em saúde. In: Capozzolo AA, Casetto SJ, Henz AO. Clínica comum: itinerários de uma formação em saúde. São Paulo: Hucitec; 2013. p. 69‑111.

33. Morita MC, Kriger L. Mudanças nos cursos de Odontologia e a interação com o SUS. Rev Abeno. 2004;4(1):17‑21.

34. Araújo ME. Palavras e silêncios na educação superior em odontologia. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;11(1):179‑82. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232006000100026