The Training School in Family Health Care Visconde Sabóia: narratives that recover a story

Main Article Content

Maria José Galdino Saraiva
Eliany Nazaré Oliveira
Maria Socorro de Araújo Dias
Lielma Carla Chagas da Silva
Cleide Carneiro

Abstract

Introduction: The institutionalization of the Brazilian Unique Health System (SUS) brought innovations for the formation and administration`s field, promoting a upgrade in worker`s qualification. For attend this demand was instituted the SUS`s Technics Schools, who have the purpose of making this activity following the necessities of the health`s institutions and of the Sanitary Reform. Objective: Knowing the central position of the centers of formation, this study had proposed the description of narrations about the Formation School of Family`s Health Visconde de Saboia (EFSFVS). Methods: This study uses the qualitative approach of explorative‑descriptive features, exploring the beginning of EFSFVS. The studied period was located between the years of 2001‑2012, exploring the oral history of ten individuals, method complemented by the documental analysis. Results: Was identified a gap in the institution`s systematized records, opening the hypothesis of oblivion caused by the absence of studies what allow the standardization and concentration of information and about the relationship between the EFSFVS and the others characters of Health`s Quadrilateral. Another evidence was the intense flow between the EFSFVS and the Instruments of Social Control. Conclusion: EFSFVS`s beginning was motivated by the necessity of formation and permanent education for the workers and, since that, was contributing with the professional qualification, despite the cadence of physical records about her history.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Saraiva, M. J. G., Oliveira, E. N., Dias, M. S. de A., Silva, L. C. C. da, & Carneiro, C. (2015). The Training School in Family Health Care Visconde Sabóia: narratives that recover a story. ABCS Health Sciences, 40(3). https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.795
Section
Original Articles

References

1. Ponte CF, Falleiros I. Na corda bamba de sombrinha: a saúde no fio da história. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2010; p.340.

2. Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Constituição (1988): promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/html/pt/legislacao/constituicao_196_200.html. Acesso em: 05 fev. 2013.

3. Oliveira GHC. Oportunidade perdidas: uma comparação entre os anos Collor e o Primeiro Governo Lula. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) – Universidade Estadual de Campinas. Campinas: 2008.

4. Galvão E. Cenário Nacional das Escolas Técnicas do SUS: a criação dos CEFOR no Brasil. Saúde Soc. 2009;18(supl.2):60‑3. http://dx.doi.org/10.1590/S0104‑12902009000600009

5. Queiroz MI. Relatos orais: do indizível ao dizível. In: Von Simon OM. Experimentos com história oral. São Paulo: Vértice, 1988.

6. Meihy JCSB. Manual de história oral. 4. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

7. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 7. ed. São Paulo: Hucitec; 2010; p.269.

8. Prefeitura Municipal de Sobral. Secretaria da Gestão. Decreto nº 1.247, de 13 de agosto de 2010. Cria a Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia. Impresso Oficial do Município Sobral. Disponível em: http://www.sobral.ce.gov.br/iom/486.pdf. Acesso em: 14 mar. 2013.

9. Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466 de 12 de dezembro de 2012. Aprovar as seguintes diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

10. Merhy EE. O desafio que a educação permanente tem em si: a pedagogia da implicação. Interface. 2005;9(16):172‑4. http://dx.doi.org/10.1590/S1414‑32832005000100015

11. Merhy EE. Em busca do tempo perdido. In: Merhy EE, Onocko R. Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec; 1997; p. 71‑112.

12. Pereira IB, Ramos MN. Educação profissional em saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2006; p.120.

13. Prefeitura Municipal de Sobral. Secretaria da Saúde e Ação Social de Sobral. Resolução nº 001, de 15 de fevereiro de 2008. Estabelece que todos os Processos de Educação Permanente ficam sob a Responsabilidade da Coordenação de Educação Permanente. Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia. Impresso Oficial do Município. Sobral. Disponível em: http://www.sobral.ce.gov.br/iom/222.pdf. Acesso em: 14 mar. 2013.

14. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Portaria GM/MS nº 198, de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: 2004.

15. Ceccim RB. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface. 2005;9(16):161‑77.