Academic development in occupational therapy and its concepts about health‑sickness process

Main Article Content

Teresa Cristina Brito Ruas
Fernanda Castilho Leite
Marco Akerman
Heloisa Ravanini Gagliardo

Abstract

Introduction: Before a biologic and organicist culture, conceptions about health and illness discussed in the superior education are still influenced by the symptomatic and medicating logic. Objective: Considering this context, the objectives of this study are aimed at analyzing such conceptions in a teaching‑learning experience of the occupational therapy course in the Faculdade de Medicina do ABC in Santo André city. Methods: As a central methodologic principle, we have opted by the experience acquired by the student, focusing him/her as the active subject of reflections/narratives before the supervised practice. Narratives have been collected from individual field diaries and categorized into thematic units. Results: It has been principally perceived that the health‑illness process was understood as being polar, with one of them in opposition to the other one. While health is the expression of complete wellbeing/equilibrium, illness means the lack of it. Few students have taken into consideration the category of social necessities in health terms in determining the health‑illness process in childhood. Conclusion: We have concluded that this experience provided the students with the understanding that to face the childhood health necessities in Capuava, it is necessary that health and illness be primarily analyzed as processes experienced, felt, and contextualized with its own history, culture and subjectivity, and interrelated with social determinants/necessities presented by the children, their families, and the environment.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Ruas, T. C. B., Leite, F. C., Akerman, M., & Gagliardo, H. R. (2015). Academic development in occupational therapy and its concepts about health‑sickness process. ABCS Health Sciences, 40(3). https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.798
Section
Original Articles

References

1. Damas LA. Conviver e aprender a estar no mundo: educação para a solidariedade. Mundo Saúde. 2002;26(3):393‑406.

2. Galasso R. Informática na educação: perspectivas de inclusão. Mundo Saúde. 2002;26(3):389‑92.

3. Giacon BDM. A educação necessária à inclusão. Mundo Saúde. 2002;26(3):413‑16. 4. Ferreira MCC. Formação de Professores. In: Mendes EG, Almeida MA, Willians LCA. Temas em Educação Especial: avanços recentes. São Carlos: Edufscar; 2004.

4. Freitas SN. Formação de Professores: interfaces entre a educação e a educação especial. In: Mendes EG, Almeida MA, Willians LCA. Temas em educação especial: avanços recentes. São Carlos: Edufscar; 2004.

5. Morin E. Introdução ao pensamento complexo. Tradução Eliane Lisboa. 4 ed. Porto Alegre: Sulina; 2011.

6. Focault M. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins; 1992.

7. Silva TT. Descolonizar o currículo: estratégias para uma pedagogia crítica. In: Costa MV. Escola básica na virada do século: Cultura, política e currículo. São Paulo: Cortez; 1996. p. 61‑72.

8. Moysés MAA. A institucionalização invisível: crianças que não aprendem na escola. Campinas: Mercado de Letras; 2008. p.256.

9. Barros DD, Lopes RE, Galheigo SM. Projeto metuia: terapia ocupacional no campo social. Mundo Saúde. 2002;26(3):365‑9.

10. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2008.

11. Barros DD, Lopes RE, Galheigo SM. Novos espaços, novos sujeitos: a terapia ocupacional no trabalho territorial e comunitário. In: Cavalcanti A, Galvão C. Terapia ocupacional: fundamentação e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2007.

12. Merhy E. O capitalismo e a saúde pública. São Paulo: Papirus; 1985.

13. Bondia JL. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Rev Bras Educ. 2002;(19):20‑8. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑24782002000100003

14. Heidegger M. Ser e tempo. Petropólis: Vozes; 2006.

15. Marcolino TQ, Mizuquami MGN. Narrativas, processos reflexivos e prática profissional: apontamentos para a pesquisa e formação. Interface. 2008;12(26):541‑7. http://dx.doi.org/10.1590/S1414‑32832008000300007

16. Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977.

17. Focault M. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes; 1989.

18. Morin E. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. In: Almeida MC, Carvalho EA. São Paulo: Cortez; 2000.

19. Galheigo SM. Da adaptação psico‑social à construção do coletivo: a cidadania enquanto eixo. Versão ampliada e revisada da palestra apresentada ao III Congresso Brasileiro de Terapia Ocupacional. Curitiba: (10 a 15 de outubro); 1993.

20. Lopes RE. Cidadania, políticas públicas e terapia ocupacional. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas. Campinas: 1999.

21. Reis AM, Soares CB, Campos CMS. Processo saúde‑doença: concepções do movimento estudantil da área da saúde. Saúde Soc. 2010;19(2):347‑57. http://dx.doi.org/10.1590/S0104‑12902010000200011

22. Oliveira DC, Sá CP, Gomes AMT, Ramos RS, Pereira NA, Santos WCR. A política pública de saúde brasileira: representação e memória social de profissionais. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):197‑206. http://dx.doi.org/10.1590/S0102‑311X2008000100020

23. Segre M, Ferraz FC. O conceito de saúde. Rev Saúde Pública. 1997;31(5):538‑42. http://dx.doi.org/10.1590/S0034‑89101997000600016

24. Nunes ED. Saúde Coletiva: uma história recente de um passado remoto. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Drumond M, Carvalho YM. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; 2006. p.19‑39.

25. Déjour SCA. loucura do trabalho. São Paulo: Cortez; 1980.

26. Soares LBT. Terapia ocupacional: lógica do capital ou do trabalho? São Paulo: Hucitec; 1991.

27. Rocha EF. A terapia ocupacional e as ações na educação: aprofundando interfaces. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2007;18(3):122‑7. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238‑6149.v18i3p122‑127

28. Castel R. As metamorfoses da questão social. Petrópolis: Vozes; 1998.

29. Castel R. Da indigência à exclusão, a desfiliação. Precariedade do trabalho e vulnerabilidade relacional. In: Lancetti A. Saúde e loucura. São Paulo: Hucitec; 1994. p. 21‑48.

30. Castel R. As transformações da questão social. In: Belfiore WM, Bógus L, Yasbek MC. Desigualdade e a questão social. São Paulo: EDUC; 1997. p. 161‑90.