The deployment of the competency based curriculum in undergraduate physiotherapy: the integrality as the driver axis

Main Article Content

Camila Sotello Raymundo
Deborah Varjabedian
Maria Elisabete Guazzelli
Marco Akerman

Abstract

Introduction: In search of a new profile for the physiotherapist, there is a need to reformulate the formation of professional physiotherapists that meet the new demand. Thus, this study seeks support on assumptions of interdisciplinarity in the organization of knowledge and the development of practices and actions that seek comprehensiveness in health care between the faculty of the physical therapy course at an international and private university, here studied, by means of a competency based curriculum. Objective: To identify the sorrows and delights of the deployment of a competency based curriculum in Physical Therapy course, guided by integrality. Methods: In this course, we use the method Research‑Action as a strategy for the investigation of the effectiveness of the deployment of the integrated curriculum and the actors involved on this study were professors (core) from a course of Physiotherapy in international and private University. Results: During the deployment process of the curriculum was possible to understand that a competency based curriculum is flexible, allows changes, according to the current needs. Conclusion: It is concluded that an integrated curriculum allows always new insertions, and is possible, as well, to listen and to empower teachers in this process because they are essential to the success in the deployment of a competency based curriculum.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Raymundo, C. S., Varjabedian, D., Guazzelli, M. E., & Akerman, M. (2015). The deployment of the competency based curriculum in undergraduate physiotherapy: the integrality as the driver axis. ABCS Health Sciences, 40(3). https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.799
Section
Original Articles

References

1. Sobrinho JD. Universidade e novos modos de produção, circulação e aplicação do conhecimento. Avaliação. 2014;19(3):643‑62. http://dx.doi.org/10.1590/S1414‑40772014000300007

2. Brasil. Presidência da Republica. Casa Civil. Decreto‑lei nº 938, de 13 de outubro de 1969. Disponível em: http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/decreto‑lei/1965‑1988/Del0938.htm. Acesso em: 29 set. 2015.

3. Almeida ALJ, Guimarâes RB. O lugar social do fisioterapeuta brasileiro. Fisioter Pesqui. 2009;16(1):82‑8. http://dx.doi.org/10.1590/S1809‑29502009000100015

4. Rebellato JR, Botomé CF. Fisioterapia no Brasil. 2.ed. São Paulo: Manole, 2001.

5. Rodrigues JM, Peixoto Junior CA. Reflexões sobre conceitos afirmativos de saúde e doença nas teorias de George Canguilhem e Donald Winnecott. Physis. 2014;24(1):291‑310. http://dx.doi.org/10.1590/S0103‑73312014000100016

6. Camargo Jr. KR. As armadilhas da “concepção positiva de saúde”. Physis. 2007;17(1):63‑76. http://dx.doi.org/10.1590/S0103‑73312007000100005

7. Canguilhem G. O normal e o patológico. 5ª.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

8. Haddad AE. A trajetória dos cursos de graduação na área de saúde: 1991‑2004. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; 2006.

9. Chauí M. A universidade pública sob nova perspectiva. Rev Bras Educ. 2003;(24):5‑15. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑24782003000300002

10. Sguissardi V. Reforma universitária no Brasil‑1995‑2006: precária trajetória e incerto futuro. Educ Soc. 2006;27(96):1021‑56.

11. Schmidt LA. Os cursos de fisioterapia no Paraná frente aos conceitos contemporâneos de saúde. Dissertação (Mestrado) – Centro de Ciências da Saúde, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2002.

12. Brasil. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP). Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatórios síntese:2010. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/enade/relatorio‑sintese‑2010. Acesso em 12 ago. 2014.

13. Brasil. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução n. 4/2002 CNE/CES, 19 fev. 2002. Diário Oficial da União. Brasília: 2002; p.11.

14. Perrenoud P. Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza. 2ª.ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

15. Perrenoud P. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

16. Perrenoud P. 10 novas competências para ensinar. Porto alegre: Artmed, 2000.

17. Grundy SJ, Kemmis S. Educational action research in Australia: the state of the art. Geelong: Deakin University Press, 1982.

18. Tripp D. Pesquisa‑ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa. 2005;31(3):443‑66.

19. Cecilio LCO, Andreazza R, Carapinheiro G, Araújo EC, Oliveira LA, Andrade MGG, et al. A Atenção Básica à Saúde e a construção das redes temáticas de saúde: qual pode ser o seu papel? Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(11):2893‑902. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232012001100006

20. Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2006.

21. Morin E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2ª.ed. São Paulo: Cortez, 2000.

22. Ceccim BR, Feuerwerker LCM. Mudanças na graduação das profissões da saúde sob o eixo da integralidade. Cad Saúde Pública. 2004;20(5):1400‑10. http://dx.doi.org/10.1590/S0102‑311X2004000500036

23. Severo SB, Seminotti N. Integralidade e transdisciplinaridade em equipes multiprofissionais na saúde coletiva. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(supl.1):1685‑98. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232010000700080

24. Arruda C, Lopes CGR, Koerich MHAL, Winck DR, Meirelles BHS, Mello ALSF. Redes de atenção à saúde sob a luz da teoria da complexidade. Esc Anna Nery. 2015;19(1):169‑73. http://dx.doi.org/10.5935/1414‑8145.20150023

25. Bispo Junior JP. Formação em fisioterapia no Brasil: reflexões sobre a expansão do ensino e os modelos de formação. Hist Ciênc Saúde‑Manguinhos. 2009;16(3):655‑68. http://dx.doi.org/10.1590/S0104‑59702009000300005

26. Bispo Junior JP. Fisioterapia e saúde coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(suppl.1):1627‑36. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232010000700074

27. Santos SSC, Hammerschmidt KSA. A complexidade e a religação de saberes interdisciplinares: contribuição do pensamento de Edgar Morin. Rev Bras Enferm. 2012;65(4):561‑5. http://dx.doi.org/10.1590/S0034‑71672012000400002

28. Mitre SM, Siqueira‑Batista R, Girardi‑de‑Mendonça JM, Morais‑Pinto NM, Meirelles CAB, Pinto‑Porto C, et al. Metodologias ativas de ensino aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(Sup2):2133‑44. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232008000900018

29. Brasil. Ministério da Saúde. Política de Educação e Desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente em saúde – pólos de educação permanente em saúde. Brasília: MS; 2004.

30. Catani AM, Oliveira JF, Dourado LF. Politica educacional, mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular nos cursos de graduação no Brasil. Educ Soc. 2001;22(75):67‑83. http://dx.doi.org/10.1590/S0101‑73302001000200006