Permanent Education in Health Policy: analysis of its implementation

Main Article Content

Katerine Gonçalves Moraes
Jane Lynn Garrison Dytz

Abstract

Introduction: The national policy of permanent health education sets new guidelines for democratic management in the area of health education, such as: participatory management, the role of workers and users and the strengthening of social control. Objective: Analyze the implementation process of Permanent Education in Health Policy in Federal District, Brazil. Methods: A case study using the theory of public policy was held in the Federal District, involving 24 key participants responsible for the management and implementation of this policy. Results: The findings point to a centralized model of management with little involvement of other segments of the civil society, financing obstacles due to bureaucratic issues and devaluation of space policy implementation. Conclusion: It can be concluded that the policy changes and management have not been performed with the necessary breadth for the collective construction of knowledge in health services.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Moraes, K. G., & Dytz, J. L. G. (2015). Permanent Education in Health Policy: analysis of its implementation. ABCS Health Sciences, 40(3). https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.806
Section
Original Articles

References

1. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 198/GM/MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

2. Brasil. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

3. Moraes KG. Análise do Processo de Implementação da Política de Educação Permanente em Saúde no Distrito Federal. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. 11ª Conferência Nacional de Saúde. O Brasil falando como quer ser tratado: efetivando o SUS: acesso, qualidade e humanização na atenção à saúde com controle social: relatório final. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

5. Brasil. Ministério da Saúde [Internet]. Relatório final da 8ª Conferência Nacional de Saúde. 1986. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/biblioteca/relatorios/relatorio_8.pdf. Acesso em: 03 abr. 2012.

6. Pereira IB, Lima JCF. Trabalho, educação e saúde: referências e conceitos. In.: Pereira IB, Lima JCF. Dicionário da educação profissional em saúde. 2ª ed. Rio de Janeiro: ESPJV; 2009. p. 17-29.

7. Silva LAA, Leite MT, Pinno C. Contribuições das comissões de integração ensino-serviço na educação permanente em saúde. Trab Educ Saúde. 2014;12(2):403-24. http://dx.doi.org/10.1590/S198177462014000200011

8. Costa PP. Dos projetos à política pública: reconstruindo a história da educação permanente em saúde. Dissertação (Mestrado) – Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Rio de Janeiro, 2006.

9. Miccas FL, Batista SHSS. Educação permanente em saúde: metassíntese. Rev Saúde Pública. 2014;48(1):170-85. http://dx.doi.org/10.1590/S00348910.2014048004498

10. Falkenberg MB, Mendes TPL, Moraes EP, Souza EM. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(3):847-52. http://dx.doi.org/10.1590/141381232014193.01572013

11. Motta JIJ, Buss P, Nunes TCM. Novos desafios educacionais para a formação de recursos humanos em saúde. Olho Mágico. 2001;8(3).

12. Davini MC, Nervi L, Roschke MA. La capacitación del personal de los servicios de salud en proyectos relacionados con los procesos de reforma sectorial. Serie Observatorio de Recursos Humanos de Salud n.3. Programa de Desarrollo de Recursos Humanos (HSR). División de Desarrollo de Sistemas y Servicios de Salud (HSP). Organización Panamericana de la Salud, Organización Mundial de la Salud, 2002.

13. Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O Quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis. 2004;14(1):41-65. http://dx.doi.org/10.1590/S010373312004000100004

14. Pressman JL, Wildalvsky A. Implementation: How great expectations in Washington are dashed in Okland. In: Balboa AG, editor. Implementación: cómo grandes expectativas concebidas en Washington se frustan em Okland. México: Fundo de cultura econômica; 1998.

15. Brasil. Governo do Distrito Federal. Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal [Internet]. Dados estatísticos – SES/DF. Dados estatísticos de serviços médicohospitalares. Disponível em: http://www.saude.df.gov.br/sobreasecretaria/dadosestatisticos.html/. Acesso em: 28 ago. 2012.

16. Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977.

17. Cohn A. Cidadania e formas de responsabilização do Poder público e do setor privado pelo acesso, equidade, qualidade e humanização na atenção à saúde. Cad 11ª Conferência Nacional Saúde. 2000; p.43-55.

18. Souza C. Políticas públicas: uma revisão de literatura. Sociologias. 2006;8(16):20-45.

19. Governo do Distrito Federal. Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. Plano de Saúde do Distrito Federal 2008 a 2011. Brasília: 2008.

20. Leite S, Flexor G, Medeiros L, Delgado NG, Maluf R. Avaliando a gestão de políticas agrícolas no Brasil: uma ênfase no papel dos policymakers. Rio de Janeiro: CPDA/UFRRJ – CNPq; 2006.

21. Correia MVC. Controle Social na Saúde. In: Mota AE, Bravo MIS, Uchôa R, editors. Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.