Ensino da saúde coletiva na Faculdade de Medicina do ABC: alguns apontamentos sobre os desafios da Saúde Coletiva na formação médica

Nivaldo Carneiro Junior

Resumo


Introdução: A saúde coletiva, campo de saberes e práticas sobre o processo saúde‑doença‑cuidado, leva às graduações em saúde questões teórico‑metodológicas e tecnologias de intervenções ao exercício profissional. Historicamente, posiciona‑se à margem do projeto político‑pedagógico da formação em saúde, particularmente médica, de modelo biologizante e hospitalocêntrico. De acordo com a Constituição de 1988, Saúde é um Direito Social e o Sistema de Saúde, público e universal. Surgem formulações às políticas educacionais e saúde. É competência do Sistema Único de Saúde (SUS) ordenar a formação de recursos humanos. As Diretrizes Curriculares Nacionais para as graduações em saúde apontam perfis profissionais voltados às necessidades de saúde da população, exigindo novas metodologias de ensino‑aprendizagem e cenários de práticas pedagógicas. Nessa perspectiva, o ensino da saúde coletiva emerge com importância singular. Relato de Experiência: A saúde coletiva na Medicina da Faculdade de Medicina do ABC era grade de disciplinas básicas do 2º ano. Um novo currículo modifica essa inserção. Até 2013, disciplina anual, em 3 módulos: epidemiologia, bioestatística e políticas e organização de serviços de saúde. Temas de ciências sociais e humanas desenvolviam‑se no 1º ano, módulo interdisciplinar Bases do Exercício Profissional. A grande concentração, nesse período, das disciplinas de morfologia e fisiologia, aproximações incipientes nos serviços de saúde e baixa exposição aos problemas de adoecimento e cuidado da população desafiavam o ensino‑aprendizagem da saúde coletiva. Conclusão: Desenvolveram‑se estratégias pedagógicas que superassem esse contexto, propiciando experiências cognitivas e habilidades psicomotoras favoráveis à apreensão dos conteúdos da saúde coletiva. Resultados positivos do exame recente do Conselho Regional de Medicina fortalecem essas iniciativas pedagógicas.


Palavras-chave


educação médica; saúde pública; currículo; ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


Batista NA, Batista SH. Docência em saúde: temas e experiências. São Paulo: Senac São Paulo; 2004.

Schraiber LB. O médico e seu trabalho: limites da liberdade. São Paulo: Hucitec; 1993.

Costa NMSC. Docência no ensino médico: por que é tão difícil mudar? Rev Bras Educ Med. 2007;31(1):21‑30. http://dx.doi.org/10.1590/S0100‑55022007000100004

Feuerwerker L. Além do discurso de mudança na educação médica: processos e resultados. São Paulo: Hucitec; 2002.

Marsiglia RMG. Introdução. In: Marsiglia RMG. Ensino de graduação em saúde: ingresso e inserção profissional. FCMSCSP (1963‑2013). São Paulo: Casa de Soluções; 2013; p.13‑9.

Campos JJB, Elias PEM. A saúde coletiva no curso de medicina da Universidade Estadual de Londrina: reflexões iniciais. Rev Bras Educ Med. 2008;32(2):149‑59. http://dx.doi.org/10.1590/S0100‑55022008000200002

Oliveira JAA, Muniz Neto FJ, Pinto FJM, Silva MGC, Jorge MSB. A transversalidade do conhecimento da saúde coletiva no currículo de medicina de uma escola médica pública: relevância das disciplinas na formação dos alunos. Rev Bras Educ Med. 2010;34(2):278‑83. http://dx.doi.org/10.1590/S0100‑55022010000200012

Gomes LB, Sampaio J, Lins TS. Currículo de medicina na Universidade Federal da Paraíba: reflexões sobre uma experiência modular integrada com ênfase na atenção básica. Saúde Redes. 2015;1(1):39‑46. http://dx.doi.org/10.18310%2F2446‑4813.2015v1n1p39‑46

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Titulo VIII da Ordem Social: Capítulo II Da Seguridade Social: Seção II da Saúde. Brasília: 1988.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES n. 4, de 7 de novembro de 2001: Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Diário Oficial da União. Brasília: 2001.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução n.3, de 20 de junho de 2014: Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília: 2014.

Castellanos MEP, Silveira AFMH, Martins LC, Nascimento VB, Silva CS, Bortollotte FHB, et al. Perfil dos egressos da Faculdade de Medicina do ABC: o que eles pensam sobre atenção primária em saúde. Arq Bras Ciên Saúde. 2009;34(2):71‑9. http://dx.doi.org/10.7322/abcs.v34i2.130




DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.820

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Nivaldo Carneiro Junior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.