Conflicts and advances in the implementation of a health integrated residence program with emphasis in oncology

Main Article Content

Rafael Bruno Silva Torres
Ivana Cristina de Holanda Cunha Barreto
Juliana Burlamaqui Carvalho

Abstract

Introduction: In this article experiences are presented in a study with the first class of the Health Integrated Residence Program in Oncology of Ceará, Brazil, made up of 22 multiprofessional residents. Experience report: A case study was made to provide analysis of a contemporary phenomenon in the context in which it occurs, based on multiple sources of evidence – bibliographical and documentary analysis, focus groups and phenomenological analysis. The analyzed material generated two main categories: 1. “on learning and advances” and 2. “on conflicts and challenges.” It is noticed that the different knowledge built by the residents continue to complement, allowing the field of oncology to dialogue with other knowledge and to produce new reflections. The subjects were placed in a real and complex context, with critical potential to rethink the locus of insertion and propose changes. Conclusion: It is understood that all service in teachinglearning process brings with it challenges and difficulties of the most diverse, and advances despite difficulties, which can be thought of as learning based on problems and mobilized by the practice. It considers that a better use of resident professionals needs to be rethought as a political strategy and training in Brazilian health system, and the insertion of health residences programs in complex spaces such as the locus of work can not only be naturalized as spontaneous over the years, but should be targeted for reflection and questioning of the various actors involved in these processes.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Torres, R. B. S., Barreto, I. C. de H. C., & Carvalho, J. B. (2015). Conflicts and advances in the implementation of a health integrated residence program with emphasis in oncology. ABCS Health Sciences, 40(3). https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.824
Section
Reports

References

1. Brasil. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado; 1988.

2. Ceccim RB. Educação permanente em saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2005;10(4):219-30. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000400020

3. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

4. Davini MC. Enfoques, problemas e perspectivas na educação permanente dos recursos humanos de saúde. In: Brasil. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. p.39-56.

5. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria MS nº 1996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

6. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 198, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

7. Brasil. República Federativa do Brasil. Portaria Interministerial MS/MEC nº 45, de 12 de janeiro de 2007. Dispõe sobre a Residência Multiprofissional em Saúde e a Residência em Área Profissional da Saúde e institui a Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde/Ministério da Educação; 2007.

8. Brasil. Plano de curso do programa de residência multiprofissional em oncologia. 2 ed. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva; 2014.

9. Governo do Estado do Ceará. Secretaria da Saúde do Estado do Ceará. Escola de Saúde Pública do Ceará. Residência Integrada em Saúde. Fortaleza: folheto; 2013.

10. Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman; 2009.

11. Kind L. Notas para o trabalho com a técnica de grupos focais. Psic Rev. 2004;10(15):124-36.

12. Moreira V. O método fenomenológico de Merleau-Ponty como ferramenta crítica na pesquisa em psicopatologia. Psicol Reflex Crít. 2004;17(3):447-56. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722004000300016

13. Holanda A. Questões sobre pesquisa qualitativa e pesquisa fenomenológica. Anal Psicol. 2006;24(3):363-72.