Characterization of work of nurses and health professionals in Support Center for Family Health in Primary Health Care

Main Article Content

Dixis Figueroa Pedraza
Daiane de Queiroz
Márcia Cristina Sales
Tarciana Nobre de Menezes

Abstract

Introduction: Assessing the work of primary care health professionals can reveal important information related to the way of providing care, essential for their qualification and meeting the health needs of the population. Objective: This study aimed to characterize the work of nurses in the Family Health Strategy and health professionals in the Centers for Family Health Support in a city from Paraíba, Brazil. Methods: This was a cross-sectional study in which nurses from the Family Health Strategy and health professionals from the Family Health Support Centers of the city of Campina Grande were enrolled, comprising 52 professionals, 20 nurses and 32 from other health training. A structured questionnaire with information about professional formation, working characteristics and professional satisfaction was used. The project was approved by the Research Ethics Committee of the State University of Paraíba. Results: Nurses highlighted lack of solidarity and recognition at work. Most professionals from the Centers for Family Health Support showed uncertainty due to work instability and fear of being dismissed. Both professional groups expressed low satisfaction with the physical structure, the unaccompanied attention to population and meetings with the community. Conclusion: The city professionals of Primary Health Care must deal with restrictions imposed by structural problems in the health units and labor bonds marked by insecurity, lack of solidarity and low recognition.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Pedraza, D. F., Queiroz, D. de, Sales, M. C., & Menezes, T. N. de. (2018). Characterization of work of nurses and health professionals in Support Center for Family Health in Primary Health Care. ABCS Health Sciences, 43(2). https://doi.org/10.7322/abcshs.v43i2.993
Section
Original Articles

References

1. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial República Federativa Brasil. 2017.

2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

3. Silva VG, Motta MCS, Zeitoune RCG. A prática do enfermeiro na Estratégia Saúde da Família: o caso do município de Vitória/ES. Rev Eletr Enf. 2010;12(3):441-8. http://dx.doi.org/10.5216/ree.v12i3.5278

4. Barbosa RC, Lorenzini E, Bazzo K, Silva EF. Liderança do enfermeiro na estratégia saúde da família: revisão integrativa. Rev Eletr Gestão Saúde. 2013;4(2):428-38. http://dx.doi.org/10.18673/gs.v4i2.22955

5. Galavote HS, Zandonade E, Garcia ACP, Freitas PSS, Seidl H, Contarato PC, et al. O trabalho do enfermeiro na atenção primária à saúde. Esc Anna Nery 2016;20(1):90-8. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160013

6. Motta LCS, Siqueira-Batista R. Estratégia Saúde da Família: Clínica e Crítica. Rev Bras Educ Med. 2015;39(2):196-207. http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v39n2e00912014

7. Santos MC, Boechat Frauches M, Rodrigues SM, Toledo FE. Processo de Trabalho do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF): Importância da Qualificação Profissional. Sau & Transf Soc 2017;8(2):60-9.

8. Tambasco LP, Silva HS, Pinheiro KMK, Gutierrez BAO. A satisfação no trabalho da equipe multiprofissional que atua na Atenção Primária à Saúde. Saúde Debate 2017;41(N. Especial):140-151. http://dx.doi.org/10.1590/0103-11042017s212

9. Machado MH, Stiebler AL, Oliveira ES, Lampert J, D’Aguiar J, Silva L, et al. Perfil dos médicos e enfermeiros do Programa Saúde da Família no Brasil: relatório final. Brasília: Ministério da Saúde; 2000.

10. Rocha MCP, Martino MMF, Grassi-Kassisse DM, Souza AL. Estresse em enfermeiros: o uso do cortisol salivar no dia de trabalho e de folga. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(5):1194-01. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420130000500025

11. Roecker S, Nunes EFPA, Marcon SS. O trabalho educativo do enfermeiro na estratégia saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2013;22(1):157-65. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072013000100019

12. Duarte SJH, Ferreira SF, Santos NC. Desafios de enfermeiros da Estratégia Saúde da Família na implantação do Programa Saúde do Adolescente. Rev Eletr Enf. 2013; 15(2):479-86. http://dx.doi.org/10.5216/ree.v15i2.18179

13. Costa CMM, Chagas HMA, Matsukura TS, Vieira GI, Marqueze EC, López CG, et al. Contribuições da pós-graduação na área da saúde para a formação profissional: relato de experiência. Saúde Soc. 2014;23(4):1471-81. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000400028

14. Ceitlin J. La medicina familiar en América Latina. Presentación. Aten Primaria. 2006;38(9):511-4. https://dx.doi.org/10.1157/13095056

15. Barth PO, Aires M, Santos JLG, Ramos FRS. Educação permanente em saúde: concepções e práticas de enfermeiros de unidades básicas de saúde. Rev Eletr Enf. 2014;16(3):604-11. http://dx.doi.org/10.5216/ree.v16i3.22020

16. Tomasi E, Facchini LA, Piccini RX, Thumé E, Silveira DS, Siqueira FV, et al. Perfil sócio demográfico e epidemiológico dos trabalhadores da atenção básica à saúde nas regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):193-201. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300023

17. Vieira SP, Pierantoni SR, Magnago C, França T, Miranda RG. Planos de carreira, cargos e salários no âmbito do Sistema Único de Saúde: além dos limites e testando possibilidades. Saúde Debate. 2017;41(112):110-21. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201711209

18. Raimundi DM, Ferreira FF, Lima FCA, Siqueira VCA. Análise de uma Clínica da Família, visão dos enfermeiros do serviço. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(n.spe):130-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000300019

19. Albuquerque IMAN, Araujo Neto JD, Lira GV, Ribeiro MA, Santos FD, Vasconcelos MIO. Contribuições do Núcleo de Apoio à Saúde da Família quanto ao princípio da integralidade. Investigação Qualit Saúde. 2016;2:1482-91.

20. Ximenes Neto FRG, Ponte MAC, Amaral MIV, Rocha J, Cunha ICKO. Percepção dos enfermeiros sobre a prática profissional na estratégia saúde da família. Disponível em: http://www.index-f.com/lascasas/documentos/lc0468.php. Aceso em: 07 jul. 2017.

21. Souza MG, Mandu ENT, Elias AN. Percepções de enfermeiros sobre seu trabalho na estratégia saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2013;22(3):772-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072013000300025

22. David HMSL, Mauro MYC, Silva VG, Pinheiro MAS, Silva FH. Organização do trabalho de enfermagem na Atenção Básica: uma questão para a saúde do trabalhador. Texto Contexto Enferm. 2009;18(2):206-14.

23. Caçador BS, Lopes FN, Pacheco LC, Alves MS, Salimena AMO. O enfermeiro na estratégia de saúde da família: percepção dos usuários. HU Rev. 2012;37(3):331-8.

24. Santini SML, Nunes EFPA, Carvalho BG, Souza FEA. Dos recursos humanos’ à gestão do trabalho: uma análise da literatura sobre o trabalho no SUS. Trabalho, Educação e Saúde. 2017;15(2):537-59. http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00065

25. Silva DSD, Tavares NVS, Alexandre ARG, Freitas DA, Brêda MZ, Albuquerque MCS, et al. Depressão e risco de suicídio entre profissionais de Enfermagem: revisão integrativa. Rev Esc Enferm USP. 2015;49(6):1027-36. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000600020

26. Lima L, Pires DEP, Forte ECN, Medeiros F. Satisfação e insatisfação no trabalho de profissionais de saúde da atenção básica. Esc Anna Nery. 2014;18(1):17-24. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140003

27. Silva CCS, Rodrigues LMC, Silva VKBA, Silva ACO, Silva VLA, Martins MO. Percepção da enfermagem sobre condições de trabalho em unidades de saúde da família na Paraíba - Brasil. Rev Eletr Enf. 2013;15(1):205-14. http://dx.doi.org/10.5216/ree.v15i1.15074

28. Cassiani SHB, Bassalobre-Garcia A, Reveiz L. Acesso Universal à Saúde e Cobertura Universal de Saúde: identificação de prioridades de pesquisa em enfermagem na América Latina. Rev Latino-Am Enfermagem. 2015;23(6):1195-208. http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.1075.2667

29. Brasil. Ministério da Saúde. Agenda nacional de prioridades de pesquisa em saúde. 2 ed. 4 reimpr. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.