Estudo comparativo da função pulmonar em pacientes submetidos a revascularização do miocárdio com circulação extracorpórea em uso de drenos pleural e mediastinal versus dreno mediastinal

Vivian Taciana Simioni Santana, Amanda Cristina Baldin, Selma Denis Squassoni, Nadine Cristina Machado, Viviane Natali, Elie Fiss, Claudia de Castro Selestrin

Resumo


Objetivo: Comparar as alterações da função pulmonar no período pós-operatório com uso de drenos pleural e mediastinal ou somente dreno mediastinal, verificando se a utilização do dreno pleural, além do mediastinal traz maiores repercussões à função pulmonar no pós-operatório. Essa avaliação auxilia a escolha de exercícios fisioterapêuticos específicos que atendam as necessidades individuais dos pacientes. Método: Dezesseis pacientes com idade média de 65 anos e fatores de risco para doença coronariana foram avaliados. Excluíram-se três pacientes, sendo que o restante foi dividido em dois grupos de acordo com a quantidade de drenos, a saber: Grupo 1 (n = 8), com dreno mediastinal e Grupo 2 (n = 5), com drenos pleural e mediastinal. Todos os pacientes foram submetidos à avaliação da função pulmonar através da mensuração da pressão inspiratória máxima, da pressão expiratória máxima, do volume corrente e da mobilidade torácica. As medidas foram obtidas no pré e até o quinto dia pós-operatório. Resultados: Em ambos os grupos houve alterações, no pós-operatório, da pressão inspiratória máxima, da pressão expiratória máxima e da mobilidade torácica. Porém, apenas a alteração do volume corrente foi estatisticamente significante (p ≤ 0,05). Conclusão: Os pacientes do Grupo 2 tiveram uma diminuição mais acentuda do volume corrente quando comparados aos pacientes do Grupo 1.


Palavras-chave


Revascularização miocárdica; drenagem pleural; drenagem mediastinal; função pulmonar

Texto completo:

PDF

Referências


Jatene AD. Revascularização cirúrgica do miocárdio. In: Sousa JEMR, Batloini M, Jatene AD. Insuficiência coronária. 1ª ed. São Paulo: Sarvier; 1984. p. 352-67.

Douglas CR. Fisiologia dos princípios hemodinâmicos de pressão arterial. In: Tratado de Fisiologia Aplicada à Fisioterapia 2ª ed. São Paulo: Robe Editorial; 2002. p. 553-76.

Ridker PM. Genest J, Libby P. Fatores de risco para doenças ateroscleróticas. In: Braunwald E, Zipes DP, Libby P. Tratado de Medicina Cardiovascular. São Paulo: Roca; 2003. p. 1034-58.

Stuchi RAG, Carvalho EC. Crenças dos portadores de doença coronariana segundo o referencial de Rokeach, sobre o comportamento de fumar. Rev Latinoam Enferm 2003;11(1):115-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692003000100011

Friedewald WT. Epidemiologia das doenças cardiovasculares. In: Bennett JC, Plum FMD. Cecil – Tratado de Medicina Interna. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2000. p. 189-93.

Stevens A. Lowe J. Patologia. São Paulo: Manole; 1999. p. 504-7.

Oliveira SA. Souza JM. Cirurgia de revascularização miocárdica. In: Barreto ACP, Sousa AGMR. Cardiologia - Atualização e Reciclagem. Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo – SOCESP. Rio de Janeiro: Atheneu; 1994. p. 351-2.

Taniguchi LNT, Pinheiro APA. Particularidades do atendimento ao paciente em pós-operatório de cirurgia cardíaca. In: Regenga MM. Fisioterapia em Cardiologia: Da UTI à Reabilitação. São Paulo: Roca; 2000. p. 121-54.

Regan K, Kleinfeld ME, Erik PC. Fisioterapia para pacientes com cirurgia abdominal ou torácica. In: Irwin S, Tecklin JS. Fisioterapia Cardiopulmonar. São Paulo: Manole; 1994. p. 318-39.

Galanter J. Particularidades da circulação extracorpórea. In: Auler Jr. Oliveira SA. Pós-operatório de cirurgia torácica e cardiovascular. Porto Alegre: Artmed; 2004. p. 153-7.

Barbosa RAG, Carmona MJC. Avaliação da função pulmonar em pacientes submetidos a cirurgia cardíaca com circulação extracorpórea. Rev Bras Anestesiol 2002;52(6):689-99. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942002000600005

Brooks BJA. Postoperative atelectasis and pneumonia. Heart Lung 1995;24:94-115. http://dx.doi.org/10.1016/S0147-9563(05)80004-4

Hagl C, Harringer W, Gohvibandt B, Haverich A. Site of Pleural Drain Insertion and early postoperative pulmonary function following coronary artery bypass grafting with internal mammary artery. Chest 1999;115(3):757-61. http://dx.doi.org/10.1378/chest.115.3.757

Enrigth PL, Kronmal RA, Manolio TA, Schenker MB, Hyatt RE. Respiratory muscle strength in the elderly correlates and reference values. Am J Resp Crit Care Med 1994;149:430-8. http://dx.doi.org/10.1164/ajrccm.149.2.8306041

Costa D, Sampaio LMM, Lorenzzo VAP, Jamami M, Damaso AR. Avaliação de força muscular respiratória e amplitude torácicas e abdominais após RFR em indivíduos obesos. Rev Latinoam Enferm 2003;11(2):156-60. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692003000200003

Yazkek Jr P. Tuda CR. Sarbag LMS. Zarzana AL. Battistella L R. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo 2001;3:682-92.

Solomon MP et al. Bipedicle muscle flaps. In: Sternal Wound Repair. Plast Reconstr Surg 1998;101(2):356-60. http://dx.doi.org/10.1097/00006534-199802000-00013

Cuello AF, Masciantonio L, Cuello GA. Entrenamiento muscular com patrones musculares respiratórios em diferentes patologias y distribucion regional de ventilación. Med Intensive 1988;5:68-77.

Jatene AD. Zerbini EJ. Stolf NAG. Tratamento cirúrgico da insuficiência coronária crônica. In: Clínica cirúrgica. São Paulo: Sarvier; 1988. p.704-17.

Chung EK. Doença coronariana – considerações gerais. In: Cardiopatias Agudas. Rio de Janeiro: Revinter; 1994.

Pick A, Dearvani J, Odell L. Effect of sternotomy direction on the incidence of inadvertent pleurotomy. J Cardiovasc Surg 1998;39:673-6.

Guizilini S, Gomes WJ, Faresin SM, Carvalho ACC, Jaramillo JL, Alves FA, Catani R, Buffolo E. Efeitos do local de inserção do dreno pleural na função pulmonar no pós-operatório de cirurgia de revascularização do miocárdio. Rev Bras Cir Cardiovas 2004;19(1):47-54. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-76382004000100010


Apontamentos

  • Não há apontamentos.