Prevalência de pneumonia nosocomial em pacientes submetidos à fisioterapia respiratória após esofagectomia

Iara Felício Anunciato, Márcia Arruda Fajardo Xavier

Resumo


Este estudo analisa a prevalência de pneumonia nosocomial em pacientes submetidos à fisioterapia respiratória no pós-operatório de esofagectomia, no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo (FMRPUSP). Os pacientes foram avaliados no período de junho de 2003 a janeiro de 2006, totalizando oito cirurgias, pertenciam a ambos os sexos, na faixa etária de 36 a 78 anos de idade, apresentando fatores de risco e comorbidades, tais como: tabagismo, etilismo, quimioterapia, radioterapia e desnutrição protéico-calórica. Para avaliar a incidência de pneumonia, foram utilizados os prontuários médicos dos pacientes, de acordo com diagnóstico correto de pneumonia nosocomial após exames complementares. A análise estatística dos resultados obtidos foi feita utilizando o modelo de regressão logística e a tabela de freqüência. A média de idade foi de 57 ± 23,33 anos e 87,5% dos pacientes eram do sexo masculino. Foram diagnosticados 6 casos de pneumonia hospitalar no pós-operatório de esofagectomia. Concluiu-se que a incidência de pneumonia nosocomial foi alta e que fatores de risco como o tabagismo, o etilismo e a desnutrição protéicocalórica são fortemente relacionados com sua incidência. Também foi observado tempo de internação hospitalar prolongado e não colaboração do paciente ao tratamento proposto.

Palavras-chave


Incidência; pneumonia hospitalar; câncer de esôfago; esofagectomia

Texto completo:

PDF

Referências


Marriet J, Durant H, Yates L. Community-acquired pneumonia requiring hospitazation: five-year prospective study. Rev Infect Dis 1989;11:586-99. http://dx.doi.org/10.1093/clinids/11.4.586

Torres BS, Santa Cruz RC. Pneumonias hospitalares. Rev Bras Med 1998;55(5):276-84.

Medeiros EAS. Efeito da pneumonia hospitalar sobre a letalidade e o tempo de hospitalização em adultos internados em unidade de terapia intensiva. Tese [Mestrado]. Escola Paulista de Medicina. São Paulo, 1991. p. 131.

Abrams W, Berkow R. Manual Merck de Geriatria. São Paulo: Roca; 1994.

Tarantino A. Doenças pulmonares. Rio de Janeiro: Guanabara; 1998.

Jansen JM et al. Pneumonias. Rio de Janeiro: Atheneu; 1992.

Ulian D et al. Incidência de complicações respiratórias no pós-operatório de câncer de esôfago. Rev Ciência em Movimento 2002, vol 8.

Fontes PRO et al. Pré e pós-operatório em cirurgia do carcinoma esofágico. In: Pitrez FAB, Pioner SR. Pré e pós-operatório em cirurgia geral e especializada. Porto Alegre: Artmed; 2002. p. 187-95.

Bland JM, Altman DG. The odds ratio. British Medical Journal. 2000;320:1468. http://dx.doi.org/10.1136/bmj.320.7247.1468

SAS/STAT® User's Guide, Version 9, Cary, NC: SAS Institute Inc., 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.