Valores de referência de medidas de pico de fluxo expiratório máximo em escolares

Cristina de Matos Boaventura, Fernanda Ferreira Amuy, Janielle Helena Franco, Maria Eugênia Sgarbi, Lúcio Boaventura de Matos, Lucas Boaventura de Matos

Resumo


A avaliação da função pulmonar nas doenças obstrutivas é importante tanto para quantificar o grau de obstrução das vias aéreas quanto para avaliar a evolução funcional paralela às informações obtidas através do exame físico do paciente. Atualmente, há diversos testes para avaliar aspectos relacionados à função pulmonar, entre eles a avaliação do pico de fluxo expiratório máximo. O medidor Wright é um pequeno aparelho portátil feito de material plástico, de fácil manejo e compreensão, baixo custo, utilizado para medir o pico de fluxo expiratório máximo (PFE), indicador da função pulmonar. É utilizado também como parâmetro de melhora no tratamento do paciente. O estudo apresenta tabelas contendo valores ao pico de fluxo expiratório obtidos com medidor Wright em 1.024 escolares saudáveis com idade entre 12 a 18 anos oriundos da rede pública estadual de ensino, localizada em uma área central das cidades de Uberlândia e Araguari. As equações de regressão calculadas e a média para PFE foram, respectivamente, para o sexo masculino: 295,75 x altura + (24,96 x Idade) – 478,24; 346,12 1/min e para sexo feminino: 212,82 x altura + (5,93 x Idade) – 131,81; 300,24 1/min.


Palavras-chave


Pico de fluxo expiratório máximo; função pulmonar; crianças e adolescentes

Texto completo:

PDF

Referências


West JB. Fisiologia respiratória moderna. 5ª ed. São Paulo: Manole; 1996.

Irwin S, Tecklin JS. Fisioterapia cardiopulmonar. 2ª ed. São Paulo: Manole; 1994.

Feltrim MIZ, Sardim JRB. Fisiologia muscular respiratória. In: Amaral CA, Júnnior C. Assistência ventilatória mecânica. São Paulo: Atheneu; 1995, cap. 2, p. 25-39.

Barnes PJ. Circadian Variation in Airway Function. Am J Med 1985;79(Suppl 6Ap):5-9.

Fritscher CC, Kahan F, Zetler E. Um guia para orientação de pacientes asmáticos. Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. Disponível em: http://www.sbpt.org.br/~rsp. Acesso em 20 de março de 2007.

Fritscher CC, Martins FP, Kahan F et al. Pico de fluxo expiratório em escolares de Porto Alegre (RS): proposta para valores de referência. Rev Med PUC-RS 1996;6:19-23.

Graff-Lonnevig V, Harfi H, Tipirneni P. Peak expiratory flow rates in healthy Saudi Arabian children living in Riyadh. Annalys of Allreg 1993;71:446-50.

Tsanakas JN, Primhah RA, Milner RDG et al. Unexpectedly high peak expiratory flow rates in normal Greek children. Eur J Pediatr 1983;141:46-9. http://dx.doi.org/10.1007/BF00445668

Wall MA, Olson D, Bonn BA, Creelman T, Buist AS. Lung function in North American Indian children: reference standards for spirometry, maximal expiratory flow volume curves, and peak expiratory flow. Am Rev Respir Dis 1982;125:158-62.

Siersted HC, Hansen HS, Hansen NC et al. Evaluation of peak expiratory flow variability in an adolescent population sample. Am J Respir Crit Care Med 1994;149:598-603. http://dx.doi.org/10.1164/ajrccm.149.3.8118624


Apontamentos

  • Não há apontamentos.