Weaving inter‑disciplinarity practices into the avoidance of violence in the multi‑professional residence

Main Article Content

Ana Amélia Nascimento da Silva Bones
Silvio César Cazella
Lara Susane Weber
Maira Rafaela Röhrig da Costa
Márcia Pereira Saraiva
Marina Ramos Bopsin

Abstract

Introduction: The complexity of the attention to the situations of violence requires the investment in actions and care integrity, launching to the multi‑professional teams the challenge of building an interdisciplinary practice together with the school. Experience report: To analyze the integrity of the attention to health and education of the residents’ actions in the Program of the Multi‑professional Integrated Residence in Children’s Health, which are exposed to violence and vulnerability and inserted into a team of Family Health Strategy in Porto Alegre District, and the Public School that belongs to its area. It works on the inter‑course studying experience developed inside two approaching levels: one with the primary level children through playing activities, and the other with their parents or guardians through conversations. The support for this intervention was the workshops with the students, aiming at bringing down the violent situations in their different environments through playing games. Conclusion: The interdisciplinary practice in a conscious way allows the organization of the work process with the scope of the collaborative practice in one inter‑professional education project.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Bones, A. A. N. da S., Cazella, S. C., Weber, L. S., Costa, M. R. R. da, Saraiva, M. P., & Bopsin, M. R. (2015). Weaving inter‑disciplinarity practices into the avoidance of violence in the multi‑professional residence. ABCS Health Sciences, 40(3). https://doi.org/10.7322/abcshs.v40i3.819
Section
Reports

References

1. Cardoso JP, Vilela ABA, Souza NR, Vasconcelos CCO, Caricchio GMN. Formação interdisciplinar: efetivando propostas de promoção da saúde no SUS. RBPS 2007;20(4):252‑58. http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2007.p252

2. Borges MJL, Sampaio AS, Gurgel IGD. Trabalho em equipe e interdisciplinaridade: desafios para a efetivação da integralidade na assistência ambulatorial às pessoas vivendo com HIV/Aids em Pernambuco. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(1):147‑56. http://dx.doi.org/10.1590/S1413‑81232012000100017

3. Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis. 2004;14(1):41‑65.

4. Organização Mundial da Saúde. Departamento de Recursos Humanos para a Saúde. Marco para Ação em Educação Interprofissional e Prática Colaborativa. Genebra: 2010.

5. Brasil. Coordenação de Estudos Legislativos (CEDI) [internet]. Lei nº 11.129 de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens ‑ ProJovem; cria o Conselho Nacional da Juventude ‑ CNJ e a Secretaria Nacional de Juventude; altera as Leis ns. 10.683, de 28 de maio de 2003, e10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências. Disponível em: http://www.camara.gov.br/sileg/integras/554841.pdf. Acesso em: 16 jul. 2015

6. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html. Acesso em: 16 jul. 2015

7. Akerman M, Campos GWS, Minayo MCS, Carvalho YM, Drumond Junior M. Tratado de Saúde Coletiva. In: Andrade LOM, Bueno ICHC, Bezerra RC. Atenção Primária à Saúde e Estratégia Saúde da Família. São Paulo: Hucitec; 2012. p.845‑902.

8. Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Guia de sugestões de atividades Semana Saúde na Escola 2014. Brasília: 2014.

9. Iribarry IN. Aproximações sobre a transdisciplinaridade: algumas linhas históricas, fundamentos e princípios aplicados ao trabalho em equipe. Psicol Reflex Crít. 2003;16(3):483‑90. http://dx.doi.org/10.1590/S0102‑79722003000300007

10. Brinhosa MC. Interdisciplinaridade: possibilidades e equívocos. Acta Fisiátr. 1998;5(3):164‑69.

11. Milman L. Casa da árvore: a ética de Françoise Dolto nas favelas cariocas. Pulsional Rev Psicanál. 2005;17(181):46‑53.

12. Matos E, Pires DEP, Campos GWS. Relações de trabalho em equipes interdisciplinares: contribuições para a constituição de novas formas de organização do trabalho em saúde. Rev Bras Enferm. 2009;62(6):863‑9. http://dx.doi.org/10.1590/S0034‑71672009000600010

13. Japiassu H. Interdisciplinaridade e patologias do saber. Rio de Janeiro: Imago; 1976.

14. Raxach JC. Reflexões sobre assistência à Aids: relação médico‑paciente, interdisciplinaridade, integralidade. In: Pinheiro R. A importância do SUS: o político, o social e as questões a superar. Rio de Janeiro: ABIA; 2003; p.59‑61.

15. Cruz Neto O, Moreira MR. A concretização de políticas públicas em direção à prevenção da violência estrutural. Ciênc Saúde Coletiva. 1999;4(1):33‑52.